Mostrando postagens com marcador Cultura. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Cultura. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 22 de setembro de 2020

Cultura: Dia da Banana

No dia 22 de setembro é comemorado o Dia da Banana, que é uma fruta tropical, que cresce em cacho das árvores chamadas bananeiras.


Origem e regiões típicas

A Banana é uma fruta de origem asiática, principalmente no sudoeste da Ásia, porém por ser uma fruta do clima tropical é largamente cultivada em países com esse tipo de clima.

Países europeus e mesmo os Estados Unidos são grandes importadores dessa fruta, uma vez que ela não é tão comum devido ao seu clima ser predominante frio em boa parte do ano.

República das Bananas

Por ser muito cultivada na região da América Latina, criou-se uma cultura de chamar os países dessa região pelo apelido de república das bananas, sendo uma maneira pejorativa de classificar países latino-americanos, quando quer se referir a algum problema enfrentando nesta região, inclusive no Brasil.


Benefícios à saúde

Apesar dessa classificação às vezes pejorativa e outras vezes cômica, a banana é uma grande aliada da saúde, sendo rica em potássio ajuda a controlar a pressão arterial, além de contribuir para o fortalecimento dos ossos, bem como auxiliando nas vitaminas que contribuem para a visão.

Também ajuda a combater o estresse e depressão, além de ser uma boa aliada do intestino, pois é rica em fibras, que auxiliam numa boa digestão.


Benefícios para práticas de exercícios físicos

A Banana é muito usada por esportistas para repor energia, pois com a sua variedade de compostos auxilia na prática da atividade física, ajudando a criar resistência. Um dos atletas famosos que utilizam a banana no cardápio é o tenista Guga, que durante os campeonatos de tênis em que competia sempre se alimentava de bananas nos intervalos para recompor as forças. Também pode ajudar em práticas como a natação, pois auxiliar na prevenção de câimbras.

Fonte: Calendário Brasil


quinta-feira, 6 de agosto de 2020

Cultura: Península de Le Morne Brabant, Maurício

O monólito basáltico ao longe debruça-se sobre Le Morne Brabant, península da extremidade sudoeste da ilha de Maurício, no oceano Índico. Originalmente desabitada, por volta do século 18 Maurício havia se tornado uma importante escala no tráfico de escravos. Alguns escravos conseguiam fugir enquanto estavam na ilha e refugiavam-se nas muitas cavernas e marquises naturais das encostas íngremes de Le Morne. Lá, esses "escravos fugidos" esconderam-se dos negreiros e criaram tantos assentamentos que Maurício acabou ficando conhecida como "a república dos fugidos".


Imagens aéreas da área permitem avistar a extraordinária "cachoeira submersa", ilusão de ótica formada, segundo algumas teorias, por uma mistura de depósitos de limo e areia, possivelmente movendo-se de uma plataforma continental mais rasa para outra mais profunda.

Nota da redação:
A Paisagem Cultural de Le Morne é um Património Mundial da UNESCO na Maurícia. O sítio, uma rugosa montanha aos pés do Oceano Índico no sudoeste da Maurícia, foi usado como abrigo por escravos foragidos nos séculos XVIII e XIX. Protegidos pelos isolados e praticamente inacessíveis precípicios da montanha, os escravos foragidos formaram pequenas povoações nas grutas e no cume de Le Morne. As tradições orais associadas aos quilombolas, tornaram Le Morne num símbolo da luta dos escravos pela liberdade, do seu sofrimento, do seu sacrifício, que tinham relevância para os países dos quais os escravos vieram - África Continental, Madagáscar, Índia, Sudeste Asiático. A Maurícia, uma importante paragem no antigo comércio de escravos, ganhou a alcunha da "Terra dos Quilombolas", devido ao grande número de escravos foragidos que viveram em Le Morne.

Em 2008, a Paisagem Cultural de Le Morne tornou-se um Património Mundial da UNESCO.

_

terça-feira, 4 de agosto de 2020

segunda-feira, 14 de outubro de 2019

Central do Brasil – Fernanda Montenegro - Filme completo




SINOPSE:
Dora (Fernanda Montenegro) é uma mulher que trabalha na estação Central do Brasil escrevendo cartas para pessoas analfabetas; uma de suas clientes, Ana (Soia Lira) aparece com o filho Josué (Vinícius de Oliveira) pedindo que escrevesse uma carta para o seu marido dizendo que Josué quer visitá-lo um dia. Saindo da estação, Ana morre atropelada por um ônibus e Josué, de apenas 9 anos e sem ter para onde ir, se vê forçado a morar na estação. Com pena do garoto, Dora decide ajudá-lo e levá-lo até seu pai que mora no sertão nordestino. No meio desta viagem pelo Brasil eles encontram obstáculos e descobertas enquanto o filme revela como é a vida de pessoas que migram pelo país na tentativa de conseguir melhor qualidade de vida ou poder reaver seus parentes deixados para trás.


Assista também:
Do fundo do baú do Amora - A dama do Estácio >>>

sábado, 17 de agosto de 2019

Cultura.SP: Dicas de programação na capital e no interior



Edição de 16 de agosto destaca a Jornada do Patrimônio do MIS (Museu da Imagem e do Som) e a Oficina Cultural Oswald de Andrade. No interior, a dica é o Festival Paulista de Circo, em Piracicaba.