Mostrando postagens com marcador 04/05/21. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador 04/05/21. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 4 de maio de 2021

O Poema nosso de cada dia - Soneto para Saninha - Euclides da Cunha

 

Euclides em desenho a nanquim bico-de-pena,
por Cândido Portinari. 1944. 

“Ontem, quando, soberba, escarnecias

Dessa minha paixão, louca, suprema,
E no teu lábio, essa rosa da algema,
A minha vida, gélida prendias…Eu meditava em loucas utopias,
Tentava resolver grave problema…
_ Como engastar tua alma num poema?
E eu não chorava quando tu te rias…

Hoje, que vives desse amor ansioso
E és minha, só minha, extraordinária sorte,
Hoje eu sou triste, sendo tão ditoso!

E tremo e choro, pressentindo, forte
Vibrar, dentro em meu peito, fervoroso,
Esse excesso de vida, que é a morte…”

A poesia sempre acompanhou Euclides da Cunha em toda a sua trajetória de vida conturbada. Acima, o soneto que escreveu em 1890, para Saninha, (Anna de Assis), sua mulher:

Postado do Artenafrede