segunda-feira, 6 de julho de 2020

Do fundo do Baú do Amora: Um Frevo Novo (A praça Castro Alves é do povo) - Caetano Veloso



Veja também:
O poema nosso de cada dia: Navio Negreiro - Castro Alves >>>

O poema nosso de cada dia: Navio Negreiro - Castro Alves

Hoje fazem 149 anos da morte do baiano Castro Alves autor de Os escravos


- Poema de Castro Alves narrado por Paulo Autran. Este vídeo contém cenas dos filmes Amistad e 12 anos de escravidão. 

Antônio Frederico de Castro Alves (Fazenda Cabaceiras, Freguesia de CurralinhoVila de Nossa Senhora do Rosário do Porto da Cachoeira, 14 de março de 1847 — Salvador, 6 de julho de 1871) foi um poeta brasileiro. Escreveu clássicos como Espumas Flutuantes e Hinos do Equador que o alçaram à posição de maior entre seus contemporâneos, bem como versos de poemas como Os EscravosA Cachoeira de Paulo Afonso e Gonzaga que lhe
valeram epítetos como "poeta dos escravos" e "poeta republicano" por 
Machado de Assis, ou descrições de ser "poeta nacional, se não mais, nacionalista, poeta social, humano e humanitário", no dizer de Joaquim Nabuco, de ser "o maior poeta brasileiro, lírico e
épico", no dizer de 
Afrânio Peixoto, ou ainda de ser o "apóstolo andante do condoreirismo" e "um talento vulcânico, o mais arrebatado de todos os poetas brasileiros", no dizer de José Marques da Cruz. Integrou o movimento romântico, fazendo parte no país daquilo que os estudiosos chamam de "terceira geração romântica"


Veja também:
Do fundo do Baú do Amora: Um Frevo Novo (A praça Castro Alves é do povo) - Caetano Veloso >>>

Comentário do dia - 06/07/20 – O peso da justiça - Dr. Azenha

Dr. Azenha questiona o fato de pequenos delitos serem punidos com maior severidade que os grandes delitos.
Observação:
Este comentário pode, ou não, representar no seu todo ou em partes, nossa opinião sobre o assunto